quarta-feira, 27 de agosto de 2008

O dilema de Harvey Dent.

Colocar os jogadores em dilemas que envolvem os conceitos morais de seus personagens é diversão garantida.
Enquanto mestra, você fica na espectativa de colocar o jogador naquela situação para ver como ele vai lidar com a situação.
Você, por exemplo, jogando como Harvey Dent na trama do filme "Cavaleiro das Trevas", faria o que se recebesse a seguinte carta:

-x-x-x-

Promotor Dent;

Faço parte da equipe do Tenente Gordon, e um dos capangas do Coringa me fez uma proposta para te sequestrar durante um transporte de emergência.
Estou com minha mãe doente no hospital, e nenhum ato heróico de minha parte vai ter reconhecimento o suficiente para pagar o tratamento caríssimo dela.
Se eu não aceitar essa proposta, estarei condenando-a a morte.
De forma alguma estou tentando extorquir o senhor, pois sei que suas posses são incapazes de tratar esse tratamento e a promotoria nunca aceitaria tal tipo de acordo.
O que proponho é o seguinte: Aceitarei a proposta, receberei o dinheiro do Coringa, mas assim que tiver todos os detalhes sobre seu sequestro, passarei essas informações para a equipe do Tenente Gordon, permitindo que os planos futuros do Coringa sejam derrubados.
Sei que no momento o Coringa está preso, mas sei também que ele está com vários contatos ativos no submundo criminoso de Gothan.
Se eu oferecer essa informação, esses contatos do Coringa perceberão com facilidade que eu os traí, e que na sequência, eles matarão a mim e até a minha mãe com facilidade, uma vez que essa quadrilha do Coringa já matou 6 policiais, um comissário e uma juíza.
Depois de lhe passar essas informações, a única coisa capaz de me dar uma chance de continuar viva seria a morte do Coringa.
É isso a única coisa que lhe peço, promotor Dent: assim que eu lhe passar todos os detalhes do seu sequestro, o Coringa deve ser executado.
Posso estar me prejudicando muito em lhe dirigir essa carta, mas confio que o senhor tomará a decisão correta.

Detetive Ramirez

-x-x-x-

E aí? Levando em consideração todos os fatos que você já conhece do filme, e todos os detalhes desta carta, o que voce faria se fosse o promotor de justiça Harvey Dent?

sábado, 23 de agosto de 2008

IRPGCast 05: O que não fazer / Transformer

Desta vez a ingerência de Roj foi tamanha que Bruno, Gelatto e Léderon acabaram dando péssimos exemplos de roleplay.
Para este cast não se tornar uma completa nulidade, foi acrescentado um filosófico debate sobre a natureza Transformer.

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Enquanto isso, longe de Hollywood...

Como quase disse Chris Carter, "A verdade está lá longe", bem longe dos populares estúdios estadunidenses.
Alguns filmes espetaculares, não só na idéia como na sua execução também, correm o risco de nunca serem vistos pelo grande público. Nem o DVD deles chega aqui; passar na televisão, então, nem no mais febril dos delírios.
Cabe a você correr atrás deles e expandir sua imaginação.
"Eles", França. Uma simples proposta para um RPG de suspense, para ser jogado por dois, no máximo três jogadores e com um sistema de regras bem realista, onde uma simples facada deve ser temida, ou alguém, no mundo real, não tem medo nenhum de facada porque ela tira apenas uns 3 pontos de vida?
"O Caso Alzheimer", Bélgica/Holanda. Um personagem perfeito para marcar qualquer campanha. Imagine um experiente assassino, que está tentando se aposentar, mas é obrigado a realizar uma última missão, mesmo percebendo que está sendo vítima do Mal de Alzheimer. Como rastrear as ações de um assassino bom no que faz, mas que se perde no meio da missão e esquece quem é seu aliado, quem é seu alvo, e, principalmente, quem o alveja.
"Nove Rainhas", Argentina. Um filme cheio de idéias erradíssimas para a criação de personagens picaretas, e uma golpe complexo, onde os jogadores podem ser encaixados como autores ou vítimas.
"Avalon", Japão/Polônia. GENIAL!!! Depois de assistir esse filme, você vai ficar revoltado com o fato desse filme nunca ter sido divulgado por aqui. O filme te envolve de início, com um estilo único e ação muito bem executada. Do meio em diante, o filme parece se perder, para dar uma rasteira furiosa em seu raciocínio perto do final, te deixando sem ação até que os créditos finais terminem de passar.

sábado, 9 de agosto de 2008

IRPG Cast 04: Virei Mestre, e agora?

Neste podcast, Intruder pergunta para Bruno, Gelatto, Hugo, Lib, Roj e Shoran os procedimentos para se tornar um Mestre-de-Jogo.

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Idéia para Aulas de RPG

RPG nas salas de aula.
Sim, são vários os estudos e práticas desta utilização didática do RPG.
A matéria "ABC do RPG", da revista "Nova Escola" de Agosto de 2008 apresenta essa possibilidade.
Se você é aluno, leia e apresente para seus professores; se você é professor, leia e indique para seus alunos; se você é pai de roleplayer, leia e comece a jogar com seu filho.

domingo, 3 de agosto de 2008

Cantiga de ninar macabra.

Essa idéia vai para aqueles que gostam de colocar uma trilha sonora para momentos especiais do jogo.
Quem não utiliza trilha sonora, também pode aproveitar essa dica, mas de uma maneira mais metafórica: poderá utilizar momentos tranquilos e agradáveis como plano de fundo para destacar algo cruel ou tenso que está para ocorrer no jogo.
A idéia é essa, utilizar uma música bonita para ilustrar algo feio. Pode parecer um tiro no pé, mas se a cena for descrita corretamente, e se os jogadores realmente estiverem dentro de seus personagens, essa cena será inesquecível, e os jogadores ficarão inquietos sempre que tal música voltar a tocar.
Este recurso, de sugerir algo que vai além da música, gerou suspeitas na música "Lucy in the Sky with Diamonds" dos Beatles, onde todo aquele clima hippie na verdade é uma alusão a uma viagem de ácido (a sigla do título da música é LSD). Mais recentemente, pode ocorrer o mesmo com a música "Lollipop" de Mika, onde uma música quase infantil pode esconder o consumo de drogas em raves (que na gíria, são chamadas de balas, pirulitos, doces, etc).
Indo diretamente aos exemplos, temos o filme "Cidade das Crianças Perdidas" onde a trilha calminha serve para deixar as cenas bizarras do filme mais bizarras ainda.
No filme "Veludo Azul" além do completo desvirtuamento da música tema do filme, o visual corretinho do filme colabora ainda mais para destacar os elementos patológicos da trama.
Ainda do diretor David Lynch, a música Llorando, que protagoniza um momento chave do filme "Mulholand Drive", dá um tom ainda mais pertubador à trama.
Apesar desta trama ocorrer em um momento chave, perto do final do filme, ela pode ser assistida sem prejuízo algum por quem não assistiu o filme, pois aparentemente não explica nada (eu só fui entender o filme algumas horas depois).
Ouvindo novamente esta música, acho que por si só ela já é perturbadora, independente do filme, mas pode ser que o meu juízo já esteja contaminado por sua união com o filme.
Em "Cães de Aluguel", uma cena de tortura tem uma música toda animadilça como acompanhamento, e é o próprio personagem perturbado da trama que liga o som. A cena é um tanto forte, portanto, será indicada neste post a Versão Simpson desta cena.
Toque a música "Downtown" perto de um fã do seriado "Lost" para ver a reação da criatura. Se você não assistiu o seriado, apenas ouça a música, não veja as cenas do clipe linkado aqui para não ter spoilers.
E para finalizar, quem jogou "Portal" e prestou atenção no final do game ficará marcado pra sempre pela música. É desconcertante, a música é linda, mas a letra remete a fatos extremamente chocantes do jogo... Você não sabe se fica com medo ou se se arrepende.