segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Máscaras e Arquétipos

Além de heróis e monstros, existem outros personagens em seus jogos de RPG?
Christopher Vogler, quando trabalhando no departamento de desenvolvimento de ideias da Disney no final dos anos 80, fez um memorando para os roteiristas com um guia de criação com base em estruturas míticas.
Esses conceitos, agrupados em 7 páginas, ficaram tão bons que evoluiu para o livro "A Jornada do Escritor", e Vogler, além de se tornar um dos principais roteiristas de Hollywood, também é um "doutor" de roteiros, que corrige ou troca elementos para garantir o sucesso do futuro filme.
Nesta "Jornada do Escritor", além de abordar as partes da história segundo as 12 partes da jornada do Herói, de Joseph Campbell, utilizou conceitos arquetípicos de Carl Jung para caracterizar cada uma das funções dos personagens de uma história.
Esses arquétipos não significam necessariamente que um personagem é representado de uma maneira. Os arquétipos devem ser vistos como funções do personagem, como uma máscara natural que ele usa em determinados momentos da história, podendo o mesmo personagem carregar vários arquétipos. Por exemplo, do ponto de vista dos japoneses, os pilotos kamikazes eram heróis.


Esses arquétipos são:

- Herói: Geralmente, é o protagonista da trama, é aquele que se sacrifica por um bem maior. Mas lembre-se que essa máscara não é exclusividade dele: pode aparecer na história outro personagem com tão nobre intenção, e se o bem maior que esse outro personagem busca é algo que vai contra os interesses do protagonista, essa função de herói pode estar sendo exercida pelo vilão da história.

- Arauto: É aquele personagem que traz alguma informação, ou que realiza alguma ação que traz o problema até o protagonista, levando esse a tomar alguma atitude diante de tal situação. No começo de "O Hobbit", Gandalf funciona como Arauto da situação, trazendo a chamado da aventura até a toca do Bilbo.

- Mentor: Estão lembrados do Mentor, do desenho do He Man (sim, o nome do personagem era Mentor, era um militar de alta patente do reino)? Ele sempre dava alguma dica para o He Man conseguir sucesso em sua missão, ensinava ele alguma manobra ou até fornecia algum equipamento  importante para a conquista da vitória. Qualquer personagem que interagem com o protagonista para ensinar algo, ou passar algo importante para que o herói complete sua jornada, estará exercendo a função do Mentor.
No último filme da saga "O Poderoso Chefão", Dom Michael viaja para Itália para se aconselhar com um padrinho das antigas, da época em que ele ficou exilado por lá, e as palavras deste padrinho iluminaram as decisões do protagonista de imediato. Ao contrário do padrão, que é o Mentor aparecendo no início da trama, praticamente junto com o Arauto, esse é um caso em que o Mentor aparece no meio da história.

- Guardião de Limiar: É aquele cara que atrapalha de alguma maneira alguma parte importante do caminho do protagonista. Pode ser um aliado do vilão principal, pode ser um chefe que dá ordens contrárias ao interesse do personagem, é um desafio intermediário, antes de chegar no verdadeiro vilão.
No videogame MegaMan, todo final de fase tinha um chefão de fase. Era um personagem cumprindo a função de Guardião de Liminar. E assim que ele era derrotado, ele cumpria a função de Mentor, pois passava para o MegaMan um novo poder.

- Pícaro: O nome é engraçado, e a função do personagem é essa mesma: Ser engraçado.
Geralmente, é aquele coadjuvante que se mete em situações cômicas, podendo até causar complicações extras para o protagonista.
Além de ser engraçado, é um personagem que acaba gerando uma simpatia maior do público pela história, pois chama a atenção para elementos do cenário e destaca a humanidade dos personagens.
No filme "Indiana Jones e o Templo da Perdição", a mocinha era uma pícara (muito estranha essa palavra, pícara), pois mais do que o interesse romântico do protagonista, Willie estava lá para arrancar risos do público.

- Sombra: É a caracterização dos interesses contrários aos do protagonista. É o vilão. Estão lembrado do Guardião de Limiar? Este personagem pode aparecer como Sombra no começo da história, e só quando ele é vencido, ou só quando uma nova informação chega, é que esse personagem passa a ser apenas um Guardião de Limiar.
Na série "24 Horas" se tornou cliché, em todas as temporadas, aquele personagem que aparecia como sendo o Sombra nos primeiros episódios se tornar apenas um Guardião de Limiar. Quando ele era derrotado, ele apenas abria caminho para Jack Bauer perseguir o verdadeiro Sombra da trama (Aliás, se faltasse mais do que 6 horas para terminar o dia do Jack Bauer, ainda dava tempo para esse novo Sombra se tornar apenas mais um Guardião e aparecer um nooooooooovo Sombra na história).

-Camaleão: É aquele personagem cuja função é imprecisa durante a trama. Não significa aquele personagem que alterna entre uma função e outra, ou aquele personagem que era uma função e se tornou outra. A principal função do camaleão na história é deixar o público em dúvida quanto à verdadeira função do personagem.
Falsos camaleões existem nos livros "Os Sete" e "Sétimo", uma história de vampiros de André Vianco, alguns vampiros parecem trocar de lado, às vezes estão do lado dos protagonistas outras vezes são inimigos, mas esse posicionamento dos personagens é claro para o leitor. A trama deixa bem claro os interesses de cada um deles, portanto, apesar de passarem de Sombras para Mentores e depois, novamente para Sombras, não existe dúvida quanto a isso.
Já um princípio de "Camaleonice" existe no Sr. Miyagi, o famoso Mentor da série de filmes "Karatê Kid". Ainda no início do primeiro filme quando o público já tinha certeza da função de Mentor deste personagem, ele passa um treinamento de pintar cerca e polir carro para Daniel San. O público começa a duvidar da capacidade de ensinar do personagem, ele parece ser apenas um Pícaro da trama, mas assim que o protagonista confronta seu mestre sobre a validade de seu treinamento, Sr. Miyagi é confirmado como Mentor.
Não vou citar o nome do filme para dar spoiler, mas sabe aquele filme de interrogatório em que "o personagem deixa de mancar no final"? Então, é um dos mais filhasdasp#### dos camaleões.
Em "Star Wars IV - Uma Nova Esperança", Hans Solo começa como Camaleão. Ele diz com todas as palavras que não se importa com a princesa Leia e seus rebeldes, chega até a abandoná-los em um momento de crise, mas surpreende o público ao voltar para a batalha e mostrar-se como um Herói aliado.



Nenhum comentário:

Postar um comentário