domingo, 30 de junho de 2013

Paixão Nacional

Imagine um país que acompanha aqueles combates circenses de luta livre; torcendo, chorando e se emocionando a cada golpe, comemorando com gritos e rojões as vitórias conseguidas naquelas lutas combinadas.

sexta-feira, 28 de junho de 2013

Futebol, Lost e Vergonha

A seleção de futebol brasileira está ganhando vários jogos na copa das confederações, mas, você percebeu que não tem um rojão estourando na vizinhança quando algum pelego marca gol?

A televisão ditava o comportamento de que todo brasileiro deveria gostar de futebol, mas com o compartilhamento livre de opiniões na internet, muitas pessoas acharam outras pessoas que compartilhavam o mesmo desgosto por futebol.
Esse desgosto foi externado nos vários protestos contra o desperdício de verbas públicas com gastos para a copa.
A população, mesmo quem gosta de futebol, percebeu que: Futebol é um circo que te faz de palhaço para não enxergar o que está acontecendo no seu país.
Depois da última copa do mundo que o Brasil ganhou, vários aumentos (energia, combustível, ...) foram declarados pelo governo, mas o povão, anestesiado pela vitória da copa, nem reclamou.
Acontece agora o mesmo que aconteceu com o final do seriado Lost. Quando os fãs perceberam a porcaria que foi o final da série, ficaram com vergonha de falar que adoravam essa série.
Você não está escutando nenhum rojão estourando a cada gol da seleção brasileira porque os brasileiros, finalmente, ficaram com vergonha de gostar de futebol.

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Aprovaram um projeto?

Então quer dizer que aprovaram o projeto que transforma corrupção em crime hediondo?
Crime hediondo significa que os culpados devem aguardar presos o andamento do processo, não é?
E o que essa corja do mensalão está fazendo fora da cadeia?
Muito bonito escrever qualquer coisa no papelzinho para enganar a turma, mas e os fatos?
Onde estão as primeiras oferendas para o gigante que acordou?
Deixa o Valério falar, a gente quer ouvir...

Que continuem os festejos em Brasília.

terça-feira, 25 de junho de 2013

Batalha de Seattle


 Por que será que um bom filme, com um elenco famoso ( Michelle Rodriguez, Charlize Theron, Woody HarrelsonAndré Benjaminan, Ray Liotta e Jennifer Carpenter (a irmã do Dexter)) nem foi divulgado por aqui?
Será que é por que ele fala de um grande protesto que aconteceu por lá, que tem algumas semelhanças com a onda de protestos que está acontecendo por aqui?
Para assistir, olhe aqui.


quinta-feira, 20 de junho de 2013

Enquanto isso, em Catanduva...


A Nulidade do Movimento Cara-Pintada.

Alguém já se questionou do tempo que levou para o governo voltar atrás no aumento dos vinte centavos da passagem?
Há alguns anos atrás, o movimento que ficou conhecido como "Caras-Pintadas" conseguiu demitir um presidente da república.
Por que agora foi necessário tanto desgaste para conseguir uma redução de vinte centavos na tarifa de ônibus?
A manifestação popular é válida, mas não é um bando de pessoas atrapalhando o trânsito e cantando refrões que decide os rumos deste país.

Para ilustrar como as coisas funcionam nas decisões governamentais, vamos analisar uma situação tooootaaaaalmeeeeente hipotética.
Vamos imaginar que, na fictícia cidade de... Dancavuta, uma cidade fictícia, que portanto, é claaaaaaro que não existe, existe o cargo de compra de alimentação infantil, que é chefiado pelo esposo da presidente da câmara de vereadores (já eleita em seu quarto mandato) e subordinado à secretaria de alimentação.
Três meses depois que um novo prefeito assumiu a cidade, é denunciado um esquema de superfaturamento das compras de alimentação infantil, mas, como tudo nesse país, as denúncias ficaram por isso mesmo e a barca continuou seu caminho.
Dois meses depois dessas denúncias, o esposo da presidente da câmara dos vereadores é afastado de seu cargo para outro, com o mesmo salário até, mas a esposa saiu em defesa do marido, e apresentou várias denúncias provando o tal esquema de superfaturamento é uma manobra do atual prefeito.
Porque só depois de dois meses de seu aparecimento é que as denúncias de superfaturamento foram levada a sério?
Qual a relação dessa história de denúncia com a alegação de inutilidade das manifestações populares?


quarta-feira, 19 de junho de 2013

Protesto contra o Encontro Internacional de RPG

Só que não...


Quer começar a melhorar esse país, fure a bola de futebol de uma criança e jogue um boardgame com ela.

Bom, não precisa furar a bola, a criança vai chorar... aproveita e enfia a bola no cu do Ronalducho.


terça-feira, 11 de junho de 2013

Nova classe de personagem para World of Darknes

Dead Popstars from Hell:






sábado, 8 de junho de 2013

Steampunk Popcorn

Já pensou em inserir diferentes métodos culinários em seus cenários?

Já viu o canhão de pipoca?


Que tal pipoca de arroz:


Ou então, invente pratos exóticos, como o bombom de alho:





quinta-feira, 6 de junho de 2013

Vamos falar de futebol

Infelizmente, as visitas do site estão muito baixas, por isso, vamos falar de assuntos mais populares para tentar ultrapassar o recorde de 30 visualizações por postagens. Para começar vamos falar de dois grandes valores nacionais, o futebol e o homossexualismo. É extremamente incorreta a abordagem pública contra a homofobia, tratando os homossexuais assumidos como minoria vítima da opressão social. Na verdade, o homossexualismo é maioria absoluta na população brasileira, o que ocorre, e isso sim deveria ser tratado pelos órgãos públicos, é a enrustidez agressiva da população. O futebol comprova que, muitos de seus torcedores são homossexuais que se recusam a assumir essa faceta sexual. Não estou falando do fanatismo que torcedores tem pelo seu time, isso apenas prova que suas vidas são vazias, sem nenhuma perspectiva de progresso pessoal, e precisam de uma ilusão maior para acreditarem que são alguma coisa nessa terra. O que ocorre frequentemente, e comprova essa homossexualidade reprimida é o entusiasmo com que tais torcedores acompanham a carreira de jogadores que vão jogar no exterior. Torcer por um time é entendido como um desejo de alcançar a vitória por meio do esforço de outros, fato natural como atividade de lazer, porém, ficar acompanhando compulsivamente as atividades de jogadores específicos, para qual país foram, quanto ganham ou deixam de ganhar, quem estão namorando, seu novo penteado; isso comprova claramente um comportamento homossexual por conta da pessoa. Então, essa é a dica de hoje: Se você se interessa pela vida pessoal de jogadores de futbol, você é gay e não sabe. Libere a sua rabiola e seja feliz.

 

Se você concorda, auxilie milhares de torcedores enrustidos a assumirem sua felicidade e divulgue esse pensamento de Oscar Wilde no seu FaceBook.


domingo, 2 de junho de 2013

Multi-Universos de Super Personagens

O filme/evento "Os Vingadores" marcou o cinema com uma situação que já era comum para leitores de HQs mas surpreendeu muitos espectadores: O personagem de um filme se encontrando com personagens de outros filmes.
Leitores de quadrinhos já estão acostumados com tais situações, vários personagens que são títulos de revistas fazem parte do mesmo universo, e eventualmente, eles podem se encontrar para combater algum inimigo em comum.
E esses leitores sabem também que existem questões editoriais que impedem o Batman de tentar comprar uma armadura especial das indústiras Stark. É como se cada um desses grandes grupos de super-heróis vivesse na sua realidade alternativa do planeta terra.
Você não teria problema algum em pensar que Marion Cobretti (personagem de Silvester Stalone em "Cobra") e John Matrix (personagem de Arnold Schwrrrzngrgrrr em "Comando para Matar") pudessem fazer parte do mesmo universo; ou então, pensar que Harry Calahan (personagem de Clint Eastwood em "Dirty Harry") e trisneto do Homem sem nome (personagem do mesmo ator em vários filmes de faroeste dirigidos por Sérgio Leone).
Isso acontece porque são personagem que realizam feitos de relevância regional, não são atos capazes de alterar o rumo da sociedade terrestre.
Porém, quando estamos falando de superseres, logo pensamos em um mundo onde pessoas enxergam com relativa normalidade a existência de humanos com super poderes vivendo entre eles, um mundo em que seria normal pessoas assistirem um filme policial e, em determinado momento do filme, o mocinho precisa desviar de um congestionamento causado pela briga de personagens super poderosos, sendo que o foco da trama não será o confronto desses supers, esse super confronto é apenas o pano de fundo para a história de um policial que precisa chegar rápido em algum lugar para evitar um assassinato.
Aventuras com personagens capazes de alterar o rumo de uma sociedade devem ser pensadas com cautela, pois pode ficar difícil conseguir justificar os feitos de um personagem superpoderoso que nunca tinha sido citado antes nos telejornais. Imagine você querer incrementar a história com um super-herói que vai ajudar os jogadores, sendo que nunca antes tal personagem tenha sido citado nesse universo.
É por conta disso que cineastas tem receio ao colocar muitos personagens poderosos na mesma trama. Depois que eles são vistos juntos, como justificar a ausência de todos nas aventuras solo de cada um desses supers?
Voltando a falar dos "Avengers", onde estava o Máquina de Guerra, que já tinha aparecido no "Homem de Ferro 2"? O Máquina de Guerra era um militar, deveria estar na linha de frente, dando suporte ao exército, durante um ataque alienígena, mas ele nem foi citado no filme.
Em "Homem de Ferro 3", muitos espectadores questionaram o fato de Tony Stark não ter dado uma ligadinha ao seu chapa Nick Fury, nem que fosse para dar uma carona até uma oficina decente.

Ainda que atrasada no quesito "super grupo no cinema" a DC está planejando bem o seu futuro blockbuster "Liga da Justiça". A presença de Christofer Nolan (diretor da trilogia Batman) na produção de "Man of Steel" não é por acaso.
Uma dica clara de que Batman e Super Homem estão no mesmo universo será uma cena em que (sem dar spoilers) um dos vilões do filme destruirá um aparelho com a marca "WayneTech".
Além disso, foram plantados easter eggs nos dois últimos filmes da trilogia "Cavaleiro das Trevas" que, provavelmente, apenas no filme da Liga da Justiça serão retomados e explicados.
Esses easter eggs são muito sutis, a presença do SuperMan é apenas um efeito especial borrado e avermelhado, pois na época das gravações, já existia o contrato para o filme do SuperMan e os planos para o filme da Liga da Justiça, porém, ainda não existia definição de qual seria o ator que interpretaria o Super.
Leitores mais experientes de quadrinhos da DC já sabem que existe uma espécie de pacto entre os super heróis: cada um cuida de sua cidade, somente em casos críticos é que eles pedem ajuda ou, até mesmo, permissão para agir na cidade de outro super.

No caso de Bruce Wayne e Clark Kent não é diferente. SuperMan discorda de muitas das práticas do Batman, porém, para evitar problemas de superdiplomacia, um não fica interferindo na cidade do outro, e se aparecer, tenta ser o mais discreto possível, para não tirar a autoridade do super da cidade.
No segundo filme do Batman, a aparição do Superman é muito rápida, aliás, ele nem aparece em cena. Sua presença ocorre no momento em que, durante uma perseguição, o Batman corta caminho pelos telhados de Gotham City, mas na verdade, quem está carregando o tanque de 3 toneladas do Batman rente aos telhados, é o SuperMan.
Já no último filme da trilogia, a presença do Super Homem é mais marcante, afinal, a ameaça de Bane contra toda uma cidade chega até Metrópolis, e dura 6 meses.
No filme da Liga da Justiça será explicado que os policiais que ficaram presos nos túneis do metrô sobreviveram graças ao SuperMan. Para não chamar a atenção do Bane, ele cavou um túnel com seu supergiro (como visto várias vezes nos desenhos dos Super Amigos) e levou suprimentos e materiais de higiene até os policiais, para que assim que o Batman desse um jeito de tirá-los de lá, eles já estivessem em condições de lutar: suadáveis, dispostos, com a roupa limpinha e a barba feita.
Na sequência, o tal efeito especial vemelho e borrado pode ser visto na cena em que centenas de policiais, andando em linha reta numa rua, enfrentam centenas de bandidos, protegidos por tanques e com armamento muito superior aos policiais. Assim que começa o tiroteio, o SuperMan passa em supervelocidade para impedir que as balas dos bandidos atinjam os policiais.
O site "Latino Review" revelou o roteiro da cena pós-créditos do último filme do Batman, mas que acabou não sendo filmada. Essa cena explicaria o questionamento que muitos espectadores fizeram: Como é que o Bruce Wayne, recém saído de uma prisão do Irã, teria voltado para Gotham City.
A cena mostraria o SuperMan pousando ao lado do Bruce Wayne, assim que ele sai do poço prisão:
     - É Bruce, parece que você está bem longe de casa...
     - E não é por causa disso que vou precisar de sua ajuda, vai cuidar da sua vida, Clark.
     - Mas Bruce, nem preciso utilizar minha visão de raios x para saber que você não está carregando sua carteira nem seu passaporte.
     - Quem precisa de passaporte quando se tem contatos e dinheiro?
     (Bruce Wayne mostra um rolo de notas sujas de dinheiro para o SuperMan)
     - Mas Bruce, de onde você tirou esse dinheiro?
     - Você está muito engraçadinho, hein Clark. É lógico que foi do c#, poderia ser mais daonde, hein?
     - Tudo bem Bruce, mas lembre-se que os aviões daqui não tem classe executiva. Você vai ter que ir no aperto da classe econômica.
     - Nesse caso eu aceito a carona, mas eu quero ir de cavalinho.
     (SuperMan deixa Bruce perto de uma das entradas secretas da batcaverna)
     - Boa sorte, Bruce.
     - Obrigado Clark, mas será que você pode esperar só um minutinho? É só o tempo de colocar a roupa de Batman.
     - Espero sim, se eu perder alguma coisa lá em Metrópolis é só voar em velocidade acima da luz ao contrário da órbita da Terra para voltar no tempo, do que é que você precisa.
     - É que o único jeito de entrar na cidade sem ser visto seria atravessando o rio congelado, só que o gelo lá no meio é bem fino, e o batcinto é meio pesado, sabe como é.
     (SuperMan deixa Batman na beira do rio)
     - Mais alguma coisa, Bruce?
     - É, bom, já que você está aqui, você poderia utilizar esse spray de napalm para pintar um morcego gigante naquele prédio abandonado lá do outro lado do rio, e fazer um rastilho até aqui perto? É que eu queria chegar chegando, entende...