quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Variações sobre o arquétipo de Sherlock Holmes

Para quem só está conhecendo agora, as primeiras histórias do detetive Sherlock Holmes surgiram em 1887, escritas por Sir Arthur Conan Doyle.

A inteligência e excentricidade deste detetive, sempre auxiliado pelas ponderações de seu amigo médico Dr. John Watson cativaram o público, muitas outras histórias vieram pela autoria do mesmo autor, e com o passar do tempo, com a criação do personagem caindo em domínio público, muitos outros autores ousaram colocar Sherlock Holmes em suas histórias.

Até hoje, o mito rende frutos, como uma nova franquia cinematográfica:


Muitos reclamaram das explosões gratuitas e da ação intensa que foram inseridas nessas novas aventuras do personagem, alegando que essa adaptação é uma afronta ao estilo investigativo e dissertativo da obra original de Sir Arthur Conan Doyle.
Mas será que o público atual, e até mesmo esses que estão reclamando, gostariam mesmo de assistir uma adaptação mais literal das aventuras de Sherlock Holmes?


É aí que podemos assimilar algo para o nosso Roleplay: a adaptação do personagem.
E não estou falando apenas da adaptação dos conceitos para o jogo, mas do reaproveitamento do personagem.

Os filmes recentes não são a primeira tentativa de adaptação do clássico personagem à um novo público:


ou então:


E é com o ratinho detetive que vemos que a essência do personagem pode ter novas incorporações, algumas mais óbvias:


outras nem tanto:


E aí? Já pensou num mago extremamente inteligente e arrogante e um clérigo prestativo que sempre são chamados quando algum efeito místico desconhecido ameaça a paz do reino? Ou então um hacker metido a besta com QI de gênio, acompanhado de um robô-pet mandão que fica sempre lembrando-o de seus compromissos fora do mundo virtual?

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

3 comentários:

  1. Muito interessante a postagem.

    O "Enigma da Pirâmede", alias, é meu preferido.

    Sugiro dar uma olhada em "Assassinatos na Rua Morgue" aos interessados, para verem de onde Conan doyle tirou suas idéias.

    Como material extra, se um dia forem voltar ao assunto, há um Sherlock viciado em cocaína, em um filme dele com "Freud" (bem legal) e parece que há um livro que junta Sherlock com Einstein.

    Brega Presley

    ResponderExcluir
  2. "PiramIde" desculpe o erro de "hortografia".
    Braços

    ResponderExcluir
  3. Assisti os dois filmes da nova franquia de Sherlock Holmes e também achei um pouco exagerada a quantidade de explosões, mas Robert Downey Jr. está ótimo e as cenas em que Sherlock conversa com seu amigo Watson ou com seu inimigo Professor Moriarty valem a pena.

    ResponderExcluir