quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Só a Ciência Salva

A intenção aqui não é ficar esculhambando religiões, aliás, se as pessoas prestassem mais atenção nas suas religiões, perceberiam que todas elas encaminham o mundo para um inevitável fim (apocalipse, ragnarok, arrebatação; o nome muda mas o mundo acaba do mesmo jeito).
A intenção é alertar para a chegada do fim do mundo, já que as religiões não estão conseguindo fazer isso de maneira convincente.


A vida humana na Terra é uma combinação de 1.000 acertos (ou erros) críticos num D1.000 nos testes de combinações de proteínas.
O planeta Terra não se formou com a intenção de servir de lar para a humanidade, assim como os demais elementos do universo não têm a intenção de decorar as noites terrestres.
99% das formas de vida que passaram pelo planeta Terra já estão extintas, e essa extinção continua até hoje. Todo dia tem planta, inseto, bactéria, mamífero, ou qualquer espécie de vida sendo extinta por aí (muitas nem mesmo foram catalogadas pelos humanos antes de sumirem).


Recursos naturais finitos não irão se multiplicar só porque os seres humanos precisam consumí-los, o planeta não interromperá o seu ciclo de aquecimento e resfriamento só porque os humanos precisam de condições climáticas adequadas, asteroides não se desviarão daquele planetinha azul só porque ele é o lar dos humanos.

Os humanos já tiveram muito tempo para se conscientizar disso, já deveriam estar desenvolvendo soluções para contornar esse final de sua espécie, porém, o que o ser humano ficou fazendo nesse meio tempo? Brigando? Jogando bola? Rezando? Comprando Magic?
Muita gente reclama dos satélites enviados para os cafundós do universo, ou dos robôs enviados para marte; dizem que o dinheiro gasto nessas brincadeiras deveria ser utilizado para acabar com a fome na África. Ou seja, aqueles que tentam entender a formação dos planetas para prever o possível futuro do planeta Terra são taxados de insensíveis para com os problemas da humanidade.

A estética barroca pregava que o homem nada pode diante da onipotência divina. Tem gente que acredita nessa estética do século XVII até hoje, e desiste diante de grandes dificuldades, achando que somente uma divindade seria capaz de tal coisa, como por exemplo, fazer chover.
Outros preferem estudar a chuva e fazer chover:

E se estudassem um pouquinho mais, seriam capaz de evitar enchentes, detectando movimentos de nuvens e forçando a chuva antes que elas atinjam áreas de alagamento, como a China fez durante as Olimpíadas de 2008.
Será que passando "Mundo de Beackman" ao invés de novelas na televisão a humanidade terá uma chance de salvação?

Um comentário:

  1. Post perfeito, a humanidade tem potencial para dominar o clima, eliminar doenças, alcançar as estrelas e até mesmo encontrar a fonte da juventude eterna, porém, nos encontramos em um mundo onde a estupidez está se tornando a regra e a busca por conhecimento uma raridade...temos potencial para criar um paraíso na terra, mas estamos caminhando para um triste fim.

    ResponderExcluir