segunda-feira, 26 de outubro de 2009

A irracionalidade dos animais irracionais

Vamos para o exemplo mais básico: Ter um "pet" em uma campanha medieval.
No caso de um cachorro, o jogador pode considerar que ele tem um artefato que late quando algum perigo se aproxima.
Mas o mestre-de-jogo deve se lembrar que um cachorro é um ser com interesses e necessidades próprias, ele pode latir só porque estranhou o vôo de uma borboleta, ou então, acabar com os mantimentos do grupo enquanto um grupo de inimigos atacava.
A irracionalidade animal, assim como facilita o condicionamento forte do "pet" para a realização de algumas ações, pode também servir de motivo para ações completamente imprevisíveis.



Mais do que tumultuar um pouco mais a vida dos jogadores, levar em consideração a natureza irracional dos bichinhos os transformará em seres realmente vivos dentro do jogo (algum teste improvisado pode justificar qualquer atitude animalesca).

3 comentários:

  1. OMFG!!!!! Esse foi de LONGE E COMPLETAMENTE DISPARADO o melhor video q vc já postou aqui!

    PQP... no começo eu pensei... Putz, como o Roj é sem noção, colocar um video de briga de cães... mas então... o Amor... ah, o amor... AhuahuahuAhuAhAUhAUhaUhauha

    Parabéns pelo post!

    CLAP CLAP CLAP!

    ResponderExcluir
  2. O senso de oportunidade, o 'timing'... tudo!
    Parabens Roj! Muito bom. Vou mandar o link pro Ewald Filho vir dar uma olhada aqui como se faz um blog...

    ResponderExcluir
  3. Se vc for mandar me avisa! to adorando aloprar o Ewaldo Filho

    ResponderExcluir